A Importância da Madeira como matéria prima, na reconstrução da cidade de Lisboa após o terremoto de 1755

Muitas das vezes as pessoas interrogam-se sobre a durabilidade da Madeira ou as suas capacidades enquanto matéria prima a ser utilizada na construção.

Se bem que o homem sempre utilizou este material nobre nas suas edificações desde que largou os buracos das rochas onde se abrigava, várias são as épocas em que de uma forma ou de outra a madeira assume um papel determinante, onde revela todo o seu potencial e mais valia.

Este documentário da RTP que divulgamos é sobretudo para realçar o excelente trabalho histórico que conta um episódio marcante em Portugal e que permite ao mesmo tempo sensibilizar as pessoas para a problemática do que é construir de forma segura e preparados para catástrofes naturais como a que ocorreu em 1755.

O Sismo de 1755, também conhecido por Terremoto de 1755, ocorreu no dia 1 de novembro de 1755, resultando na destruição quase completa da cidade de Lisboa, especialmente na Zona da Baixa, e atingindo ainda grande parte do litoral do Algarve e Setúbal.

O sismo foi seguido de um maremoto – que se crê tenha atingido a altura de 20 metros – e de múltiplos incêndios, tendo criado uma mortalidade como até então não havia memória.

Foi um dos sismos mais mortíferos da história, marcando o que alguns historiadores chamam a pré-história da Europa Moderna.

Os sismólogos estimam que o sismo de 1755 atingiu magnitudes entre 7,5 e 9,5 na escala de Richter.

Marquês do Pombal e o Rei D. José I encomendaram aos arquitetos e engenheiros reais, e em menos de um ano depois do terramoto já não se encontravam em Lisboa ruínas e os trabalhos de reconstrução iam adiantados.

O Rei desejava uma cidade nova e ordenada e grandes praças e avenidas largas e retilíneas marcaram a planta da nova cidade. Fonte: Wikipédia

Alguns Dados Curiosos aproximados:

09:40h da manhã em Lisboa sentia-se um terramoto de extrema violência. As pessoas tinham acordado bem cedo para ir à missa pois era dia de todos os santos.

10:00h sentia-se a primeira réplica e simultaneamente chegavam as vagas de um Tsunami que foi criado pelo primeiro abalo.

12:00h de forma mais suave sentiu-se o terceiro abalo.

16:00h constatava-se em Inglaterra a subida das águas em Creston Ferry que só voltaram a baixar cerca de 8 minutos depois voltando ao seu nível normal

19:30h Percorrendo 6.000 kms desde Lisboa, a primeira onda do Tsunami atingia Antígua na Costa Americana.

  • Este foi considerado um dos sismos de maior intensidade que existiu em todo o Mundo e é um dos mais documentados de toda a história.
  • Este terramoto aconteceu precisamente no ” dia de todos os santos” a 1 de Novembro de 1755
  • Na altura a Família Real ficou ilesa de todo o acontecimento, porque na hora do terramoto D. José I e a sua corte estavam em zonas baixas em Santa Maria de Belém junto ao rio, não ficando exposta por isso à derrocada dos edifícios na cidade, e não é apanhada pelo Tsunami, porque entretanto sobem à parte mais alta da cidade para se inteirarem da calamidade que estava a acontecer e na tentativa de socorrer o povo da tragédia.
  • Nesta altura o Rei mandou construir em MADEIRA a denominada “BARRACA REAL”, para onde foi viver com toda a sua família, pois com tamanha catástrofe espalhou-se o pânico de viver em recintos fechados e sobretudo construídos em pedra.
  • Surge nesta época, mais conhecido como Conde de Oeiras e Marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho e Melo que aumentou o seu poder de influência com os títulos atribuídos por D. José I, tendo sido designado como o responsável máximo na reconstrução da velha capital (Lisboa).
  • Surge na altura a técnica inovadora de construção antissísmica, com as chamadas estruturas das gaiolas pombalinas que foram desenvolvidas na reconstrução da Baixa Pombalina como é conhecida nos dias de hoje.

 

Documentário evocativo dos 250 anos do terramoto que destruiu a cidade de Lisboa em 1755, relatando as causas e consequências desta catástrofe natural, e analisando a ação do Marquês de Pombal na reconstrução da cidade.

 

Um dos materiais mais importantes a ser utilizado nesta gigantesca reconstrução, foi a MADEIRA.

 

Material usado de uma forma que permitiu executar construções antissísmicas teve uma enorme importância naquilo que ainda é hoje a Lisboa dos tempos modernos.

A RTP tem um documentário nos seus arquivos que conta de uma forma muito realista aquilo que aconteceu durante e após terremoto.

Um excelente documentário que analisa as causas e as consequências desta terrível tragédia que ocorreu, tendo levado à morte, estima-se que, um numero superior a 10.000 pessoas, e também analisa a ação do Marquês de Pombal na reconstrução da cidade.

Este documentário teve como objetivo assinalar os 250 anos do terremoto que destruiu a cidade de Lisboa, e foi por isso apresentado no ano de 2005.

 

 

Vale a Pena ver este extraordinário trabalho que passou na RTP1

 

  • Nome do Programa:Lisboa, Novembro 1755
  • Locais:Lisboa
  • Personalidades:Sebastião José de Carvalho e Mello, Marquês de Pombal, Eugénio dos Santos
  • Temas:Ambiente e Energia, História
  • Canal:RTP 1
  • Menções de responsabilidade: Autor: Júlia Fernandes Produtor: Ana Lucas
  • Tipo de conteúdo:Programa
  • Cor:Cor
  • Som:Mono
  • Relação do aspeto:4:3

 

 

Assista a documentário que relata a história.

 

Lisboa, Novembro 1755

Gostou? Compartilhe:

error: Conteúdo protegido